Compartilhe o Blog CLIRC com seus amigos

sábado, 23 de julho de 2011

"Rio, Ribeirinho, Ribeirão"

(Cordel; Texto e imagem: Heluane Aparecida Lemos de Souza)
Sugestão do título: Denise de Oliveira Rosa


Ali, nas margens risonhas
Viu nascer essa cidade
A acolheu com poesia
Esperou com ansiedade
Na nova terra, que surgiu
Refletiu prosperidade.

Ou foi a nova terra
Que em suas águas refletiu
Como espelho, como eco
O seu céu azul anil?
No doce nome da cidade
Seu curso d’água, então, fluiu.

“São João Batista do Ribeirão Claro”
Lá fluía o rio em liberdade
Na, então, “Ribeirão Claro”
As águas permanecem no nome da cidade
Finalmente, “Rio Claro” guarda ainda nas palavras
O seu movimento e claridade.

Nasce com simplicidade
De quem tem em si a perfeição
Tímido fio d’água cristalino
E, eis que surge, um ribeirão!
Em cada gota permanece
A simplicidade e vida, então.

Nasce na zona rural
Com a colorida ruralidade
Flui, e seu movimento
Colore outras partes da cidade
A zona urbana, então, partilha
O burburinho das águas em pluralidade.

Abastecendo a cidade
As gotas se multiplicam
Na vida dos rioclarenses
Suas águas vivificam
Nas nossas casas, Ribeirão chega
Nas suas águas, histórias ficam.

Suas memórias também refletem
A imagem da degradação
As águas guardando não só histórias
Mas descaso e poluição
Fruto de um modelo de sociedade
Que ao ambiente disse “não”!

Daquelas águas não é apenas
O ser humano que depende
Mas outras vidas e o equilíbrio
Também do meio ambiente
Nosso dever vai muito além
Do consumo consciente.

Responsabilidade e cuidado
Conhecimento e ação
Do coletivo e do sujeito
Ambos agindo em comunhão
Para o bem do humano e de toda a vida
Que se reflete no Ribeirão.

Hoje já é possível
Perceber que algo muda
O apelo do Ribeirão
Nosso povo já escuta
Despoluir as suas águas
Já é um passo dessa luta.

Para findar os nossos versos
O próprio rio se faz surgir
Agradece em poesia
Que de suas águas fez fluir,
E se despede dando os braços,
Ao rio Corumbataí.

Heluane Aparecida Lemos de Souza
Quem já passou por aqui